A verdade sobre o dia das mães

22 de abril de 2013

A fim de oferecer subsídios para marcas planejarem com mais eficácia suas estratégias de comunicação para serviços e bens de consumo, a rede McCann lança na América Latina “A verdade sobre sua próxima promoção”, série de investigações sobre o comportamento do consumidor em datas promocionais. O estudo on-line, realizado com 2 mil consumidores de todas as classes socioeconômicas, acima de 18 anos, em 13 países da América Latina tem como primeira data investigada o Dia das Mães. Serão pesquisados ainda o Dia dos Pais, Natal e Ano Novo. As entrevistas foram realizadas na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, México, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana e Uruguai.

No Brasil foram ouvidos 1 mil consumidores, e o estudo identificou que o brasileiro, na América Latina, está entre os mais competitivos quando se investiga a motivação por trás do ato de presentear:

– 100% afirmam que a intenção é fazer com que sua mãe se destaque entre suas irmãs, cunhadas, etc..

– 83,3% afirmam categoricamente que o intuito ao dar um bom presente é superar o presente dado pelos irmãos.

– 64,4% afirmam categoricamente que o intuito é fazer com que sua mãe se sinta importante, melhor que outras mães, mais poderosa e especial.

De acordo com o estudo, 88% dos brasileiros deixam para a última hora a compra do presente para as mães, a até no próprio dia da celebração, que só perde em importância para o comércio para o Natal. 57% dos entrevistados (sejam maridos, filhos, noras ou amigos) dão presentes entre R$ 40 e R$ 120, e 50,2% levam em consideração o gosto da presenteada ao escolher o presente.

Em função da pressa e comodidade, 58% dos respondentes brasileiros recorrem ao shopping e 38% optam por itens de vestuário, como roupas, bolsas e sapatos, seguidos de um almoço ou jantar (22%), flores (22%), perfume (20%), joia (14%), eletrodomésticos (12%), vale-presente (12%), viagem (11%), algo feito pelo próprio filho ou cônjuge (10%), celular ou smartphone (10%), tablet (7%), vale para salão de beleza ou spa (7%) e caixa de chocolate (6%).

Nessa busca pelo presente 26% dos entrevistados dizem ser influenciados pelas vitrines físicas das lojas, mesmo índice registrado quando a influência vem da internet e redes sociais.

Do lado das mães, embora 47% admitam esperar receber algum presente, 81% dos consumidores que as presenteiam acreditam que se elas pudessem fazer o que quisessem com o mesmo dinheiro gasto na lembrança, ajudariam um parente ou irmão que precise.

Se fosse para as mães escolherem como celebrariam a data, 38% optariam por fazer algo em casa, como um churrasco ou almoço, e 30% escolheriam almoçar fora de casa com toda a família. Mas 24% delas trocariam o Dia das Mães para mais tempo com a família, seguido de sair da rotina semanal com pequenas surpresas, para 22% das mães respondentes, e 17% não trocariam o Dia das Mães por nada neste mundo.