A verdade sobre o Natal

27 de novembro de 2013

Estudo realizado pela rede de agências de publicidade McCann na América Latina sobre o comportamento do consumidor no Natal – denominado “A Verdade sobre o Natal do ponto de vista promocional” – identificou que o brasileiro está entre os que mais valorizam o ato de presentear durante o Natal, e que como consumidores eles esperam que as marcas os ajudem a resgatar e celebrar o verdadeiro espírito natalino, sem perder de vista a conveniência e qualidade das ofertas promovidas.

O estudo on-line, realizado com 2,500 mil pessoas (1 mil só no Brasil) em 13 países, buscou investigar, entre outras questões, quão fortemente resiste o espírito de Natal, ou se a data tornou-se essencialmente um evento comercial, qual a importância e simbolismo por trás dos presentes e quais itens lideram a lista de desejos dos consumidores.

“Buscamos entender as tensões existentes nessa época do ano, repleta de emoções e atividades, que podem representar tanto oportunidades quanto riscos para as marcas”, explica Daniel Palma, planejador responsável pela análise no Brasil.

O estudo faz parte de uma série que investiga o comportamento do consumidor em datas promocionais, tendo analisado anteriormente o Dia das Mães e dos Pais. As entrevistas foram feitas na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, México, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana e Uruguai.

Para a investigação sobre o Natal foram ouvidos consumidores de ambos os sexos, entre 30 e 60 anos, chefes de família, e de todos os extratos socioeconômicos.

No Brasil a “Verdade sobre o Natal do ponto de vista promocional” chegou a 5 verdades:

1-      A essência do Natal está na reunião familiar

2-      O lado comercial é um fator negativo, mas não estraga o Natal

3-      Os presentes geram estresse, mas também satisfação

4-      A qualidade e a pertinência dos presentes são tão importantes quanto as promoções

5-      O consumidor quer que as marcas os emocionem e lembrem o significado do Natal

1-      A essência do Natal está na reunião familiar:

Para 66% dos entrevistados, o Natal é a data mais importante do ano, seguida do aniversário dos filhos (34%), ano novo (23%), próprio aniversário (19%) e Dia das Mães (12%). A grande maioria (93%) vê na reunião com a família a principal razão para celebrar a data, e 87% vê a ocasião como o momento de demonstrar carinho pelos entes familiares. 33% dos respondentes afirmam que se não fosse o Natal, não haveria outra data para reunir a família.

2-      O lado comercial é um fator negativo, mas não estraga o Natal:

60% dos entrevistados vêm o Natal como uma data comercial na qual se gasta demais, porém 2/3 não enxergam um lado negativo na celebração. 52% acreditam que não há Natal sem presentes, sendo que para 75% os presentes servem para ver felizes as pessoas amadas. Do lado do presenteado, 50% gostam de receber um presente por se sentirem queridos, e 31% por terem sido lembrados.

3-      Os presentes geram estresse, mas também satisfação:

Comprar presentes é a tarefa vista como a mais estressante relacionada às tarefas nos preparativos natalinos (49%), seguida pela arrumação da casa (48%) e da ceia (44%). Porém é com a comida que os consumidores mais gastam dinheiro (69%), seguida da compra de presentes (66%). Para 61% comprar os presentes é uma dor de cabeça devido ao trânsito e à quantidade de pessoas nos centros de compras, porém 81% se empenham bastante nessa missão, sendo que 71% gostam muito de presentear.

4-      A qualidade e a pertinência dos presentes são tão importantes quanto as promoções:

Ainda que 84% dos consumidores prefiram comprar presentes de Natal em promoção, 82% afirmam se preocupar muito com a qualidade dos presentes, enquanto 66% buscam presentar de maneira personalizada ao gosto de cada presenteado, além de originais e surpreendentes (60%). Isso porque para 62%, quando o presente certo é encontrado, a oferta passa ao segundo plano.

5-      O consumidor quer que as marcas os emocionem e lembrem o significado do Natal

26% dos consumidores querem que as marcas os lembrem do verdadeiro sentido do Natal, e 22% esperam por mensagens de esperança, de sonhos e de crença. Independentemente disso, 60% agradecem as marcas que, na sua comunicação, dão ideias do que presentear.